TEORIA DO PRANA

Prana é a força vital, a energia que anima todo o mundo material. Prana existe em toda parte e pode simplesmente se transformar de uma forma para outra, é a força presente em todos os seres vivos e a energia que move todos os processos naturais do universo.

Freqüentemente relacionada à respiração, prana é muito mais do que o ar que respiramos. É a força que faz as coisas se moverem, e controla todos os processos biológicos do corpo humano. Prana é responsável pela nossa saúde e a integração do ser físico, mental e espiritual.

Enquanto prana existir no corpo, haverá vida – sem prana não há vida.

CINCO PRANAS

A respiração é nossa principal fonte de prana, porém respirar é apenas a entrada para o mundo do prana e sua manifestação no corpo humano. Prana regula todas as funções vitais do nosso sistema por meio de cinco expressões energéticas chamadas vayus. Cada um deles governa diferentes áreas do corpo e diferentes funções físicas e sutis.

Prana-vayu – Responsável pela respiração e pelo sistema circulatório
Apana-vayu – Controla a eliminação de urina, fezes, sêmen e menstruação.
Samana-vayu – Responsável pela digestão e reparação das células.
Udana-vayu – Controle das cordas vocais, troca de ar, ingestão de alimentos e deglutição.
Vyana-vayu – Permeia todo o corpo e é responsável pela circulação do sangue e dos movimentos voluntários, auxiliando todos os outros pranas.

De acordo com o Yoga e o Ayurveda, todas as doenças são causadas ​​por desequilíbrios de prana. Elas começam em níveis energéticos antes de se manifestarem no corpo físico. Para entendermos melhor como isso acontece, temos que explorar o corpo sutil e a relação de prana, nadis e chakras.

O CORPO SUTIL

Os cinco pranas principais formam o pranamaya kosha e não podem ser vistos ou tocados, pois fazem parte do corpo sutil.

O sistema de anatomia iogue descreve a existência de três corpos: físico, sutil e causal, divididos em cinco camadas de consciência, conhecidas como pancha kosha:

Annamaya kosha ou camada física (corpo físico)
Pranamaya kosha ou camada de energia (corpo sutil)
Manomaya kosha ou camada mental (corpo sutil)
Vijñanamaya kosha ou camada da razão (corpo sutil)
Anandamaya kosha ou camada do inconsciente (corpo causal).

O corpo sutil é dividido em três camadas. O pranamaya kosha é nossa camada energética responsável por conectar o corpo físico com outras camadas de experiência, mantendo juntos nosso corpo e mente. Essa camada é composta de prana e também é o lar do nosso sistema de chakras e das nadis.

NADIS

O prana nutre o corpo e a mente por meio de uma rede de canais de energia sutis chamados nadis.

Embora sustentem nosso sistema físico e energético, não é possível detectar fisicamente ou ter certeza do número e localização exata das nadis, porém de acordo com a filosofia do Yoga, 72.000 é o número mais aceito hoje em dia. As nadis estão todas enraizadas no kanda ou “bulbo” localizado acima do chakra Muladhara (chakra básico), situado na base da coluna vertebral.

Entre todas as nadis, três são consideradas as mais importantes: Sushumna, Ida e Pingala. Ida e Pingala são os canais esquerdo e direito e Sushumna é o canal central.

IDA e PINGALA

Ida e Pingala sobem em zig zag da base da coluna vertebral até a cabeça e se cruzam no caminho em nossos principais centros de energia, os famosos chakras, terminando nas narinas esquerda e direita, respectivamente.

Elas são os pólos dos opostos e representam nossas dualidades. Ida é o nosso lado lunar feminino, o canal de resfriamento, relacionado ao nosso sistema nervoso parassimpático e ao lado direito do cérebro. Nosso canal esquerdo está associado ao relaxamento, descanso, conforto, introversão, nutrição e restauração. Pingala é o nosso lado solar masculino, o canal de aquecimento, relacionado com o sistema nervoso simpático e o lado esquerdo do cérebro. Nosso canal direito está associado à atividade, racionalidade, dinamismo, extroversão e eficiência.

SUSHUMNA NADI

Sushumna Nadi é nossa nadi mais interna e a mais importante de todas. Ela acompanha a medula espinhal, originando-se no chakra muladhara (chakra básico) e terminando no chakra sahasrara (chakra coronário). Ela é o nosso contato direto com o campo unificado de consciência e nos conecta com a fonte de toda a existência.

Quando prana está fluindo sem restrições pela Sushumna Nadi, somos capazes de transcender o corpo e nos fundir com a consciência universal, experiência conhecida como o despertar da Kundalini.

Kundalini é uma energia poderosa concentrada na base da coluna vertebral, conhecida também como o “Poder da Serpente”, normalmente ela fica adormecida bloqueando a subida do prana pela nadi central. 

Enquanto Sushumna permanece bloqueada por esta energia, temos uma percepção limitada do mundo, vivenciando-o através da dualidade de Ida e Pingala, presos em uma visão de certo ou errado, bom e mau, masculino e feminino. Quando Kundalini sobe até o chakra coronário, ela abre nosso canal de conexão com a consciência universal, permitindo-nos experimentar nossa verdadeira imensidão, uma visão de unificação e puro êxtase. Para que isso seja possível, todos os nossos chakras devem estar equilibrados.

CHAKRAS

Os chakras são vórtices de energia presentes em áreas específicas do corpo e são responsáveis por controlar a circulação do prana. O número de chakras varia entre tradições e filosofias, porém o modelo dos sete chakras principais localizados na coluna é o mais aceito atualmente. Eles são:

  • Chakra Básico (Muladhara) 
  • Chakra Sacro (Swadhisthana) 
  • Chakra Plexo Solar (Manipura) 
  • Chakra Cardíaco (Anahata) 
  • Chakra Laríngeo (Vishuddha)
  • Chakra Frontal (Ajna)
  • Chakra Coronário (Sahasrara)

Cada chakra é um interruptor que controla certos padrões de comportamento e se relaciona com diferentes características fisiológicas emocionais e mentais. Quando estão equilibrados, o prana pode fluir livremente, permitindo-nos expressar qualidades mais elevadas e alcançar uma consciência superior.

A RELAÇÃO ENTRE NADIS CHAKRAS E PRANA

Prana, nadis e chakras estão intimamente relacionados e trabalham juntos em nosso sistema sutil. Prana é a energia, nadis o caminho e os chakras os epicentros do fluxo de energia.

Um de meus professores, Mestre Santhosh Kumar da Yogadarshanam, sabiamente comparou essa relação com um sistema elétrico; O prana pode ser considerado eletricidade e para fluir precisa de fios que em nosso corpo seriam as nadis. Para controlar este sistema elétrico, precisamos de interruptores e reguladores, que seriam os chakras.

Assim como uma casa com problemas elétricos não funciona adequadamente, o mesmo acontece com o nosso corpo, quando o prana é impedido de fluir livremente pelo corpo sutil, nosso sistema fica perturbado, causando desequilíbrios em nossos processos físicos e mentais.

Portanto, cultivar um fluxo equilibrado de prana é essencial para ter uma vida saudável. Este estado de equilíbrio pode ser alcançado por meio de práticas de yoga, como asana (posturas de yoga), pranayama (exercícios de respiração) e meditação.

PENSAMENTO FINAL

De acordo com Patty Townsend, da Embodyoga, para manter nossas nadis purificadas e radiantes, não apenas devemos ter um estilo de vida saudável e uma dieta nutritiva, mas também uma abordagem compassiva da vida. Ela menciona que “nosso estado mental afeta fortemente o processo de equilíbrio e limpeza do sistema nervoso sutil”. Além disso, nossa prática de yoga afeta fortemente a condição das nadis. Uma prática cheia de ódio, comparação, julgamento e esforço intenso para entrar em forma não vai ajudar a purificar nossos canais energéticos. Uma atitude atenciosa e gentil em relação a nossa prática é necessária para equilibrar esse sistema tão delicado. 

Portanto, lembre-se de trazer amor à sua prática de yoga, cuidando bem do seu corpo físico e energético, para que o prana possa fluir livremente pelos canais de energia sutis. Namasté.

REFERENCES

Stephens, M. (2010), Teaching Yoga: Essential Foundations and Techniques. Berkeley, California, US: North Atlantic Books.
Saraswati, S. S. (1969), Asana Pranayama Mudra Bandha. Bihar, India: Yoga Publications Trust.
Kumar, S. (2019), Yogadarshanam Advance Yoga Teachers Training Manual. Mysore, India: Yogadarshanam.
Townsend, P. (no date) Embodyoga In-Depth Study and 200hrs Teacher Training Manual. Amherst, MA, US: Embodyoga.
Anderson, S. (no date), ‘The 5 Prana Vayus’, Yoga International. Available at https://yogainternational.com/article/view/the-5-prana-vayus-chart (Accessed: 15 October, 2020).

Written by Mariana Lourenço

Mariana is a content creator, founder and editor of Stories Collective - an independent fashion & art magazine. A former fashion stylist, she has more than 10 years experience in the creative industries in London, Berlin and São Paulo. Currently seeking a yoga and sustainable lifestyle, she is living in Thailand dedicating her time to her recently created yoga project Omlove. In her yoga classes, she loves to create inspiring flows while encouraging her students to go beyond the asana practice through intention, meditation and pranayama. A creative soul and change-maker, Mariana seeks to live a low-impact lifestyle and hopes to make the world a better place through her daily activism, collaboration with purpose-driven companies and yoga teaching.

1 comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: